Protegendo o patrimônio familiar

A transmissão dos bens que integram o patrimônio de uma família aos herdeiros, no caso da morte de qualquer dos proprietários se dá, em geral, através do inventário, que costuma ser um processo extremamente demorado e oneroso.



Tributos, honorários de advogado, custas com cartório de notas, cartório de registro de imóveis e cartório de distribuição, são alguns dos ônus impostos aos herdeiros quando se realiza o inventário.


É importante observar que se os herdeiros não tiverem disponibilidade de recursos para fazer frente a esses gastos é bem provável que tenham que vender parte dos bens para receber um sinal e finalizar o Inventário.


A venda de bens nessas ocasiões, em função da necessidade e urgência, geralmente resulta em perdas que vão de 20% a até 50% do valor de mercado do bem, o que se acrescenta aos custos elevados do processo.


Considere-se ainda que a necessidade de venda de bens do espólio impede que o inventário seja feito de modo extrajudicial, causando impacto nos honorários advocatícios e aumentando a burocracia e o tempo previsto para conclusão, sem contar o possível lucro imobiliário gerado pela venda de imóveis, ensejando a cobrança do imposto de renda sobre ganho de capital.

Em muitas situações a família acaba precisando se desfazer do principal imóvel de que dispõe, impondo aos herdeiros uma queda de posição social.


A forma mais inteligente de evitar essa situação é a criação de um sistema de holding patrimonial, ferramenta disponibilizada pela legislação brasileira, que permite planejar o processo sucessório do patrimônio familiar com custos e prazos significativamente menores que os do inventário.

Deixar esse assunto para ser tratado apenas por ocasião da morte do proprietário do patrimônio pode causar profundos transtornos aos herdeiros.


Pense nisso!



14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo